NÃO ENCONTROU O LIVRO QUE PROCURA? ENTRE EM CONTATO CONOSCO PELO WHATSAPP

Os nascimentos de Molière e Martin Luther King são comemorados neste 15 de janeiro

Num 15 de janeiro como este, nasceram duas figuras de expressão mundial. Uma, 400 anos atrás, na França. Outra, há 93 anos, nos Estados Unidos. O primeiro é conhecido como o “homem do teatro”, o segundo, pastor ativista, é celebrado todo ano por meio de eventos teatrais, entre outros. Jean-Baptiste Poquelin, mais conhecido como Molière , será comemorado ao longo do ano. Mesmo que não se saiba a data exata de seu nascimento (apenas a de seu batismo em 15 de janeiro de 1622), o 400º aniversário do homem do teatro dará origem a uma infinidade de shows e exposições em toda a França . Martin Lutter King Jr. será lembrado em diversos pontos dos Estados Unidos da América. Um deles, na Virginia Commonwealth University (VCU).

Molière em Versalhes

Versalhes queria ser a primeira a homenagear Molière. Uma exposição  intitulada “A Fábrica da Glória Nacional”, organizada no Espace Richaud, faz  uma retrospectiva da vida do ator que atuou no teatro do castelo. A curadoria é de Martial Poirson, professor de História Cultural e Estudos Teatrais (Universidade de Paris -8). A exposição relembra a misteriosa vida do artista que percorreu a França antes de triunfar na corte por meio de uma seleção de obras, arquivos (manuscritos, notas de encenação, esboços preparatórios) e objetos (trajes, modelos de cenário) que evocam as 200 obras atribuídas ao autor.

Martin Luther King Jr.

Uma apresentação teatral será a atração principal da MLK Celebration 2022, evento realizado todos os anos na Virginia Commonwealth University (VCU), nos Estados Unidos, para celebrar Martin Luther King Jr. (MLK). A peça, intitulada “Levante-se, levante-se: a outra parte do sonho”, explora alguns dos discursos, sermões e escritos menos conhecidos de Martin Luther King, o chamado à ação do pastor e o significado do termo comunidade no mundo atual. As apresentações começam amanhã, 16, e vão até o próximo dia 26.

Tawnya Pettiford-Wates, professora de pós-graduação em Pedagogia em Atuação e Direção na Escola de Artes do Departamento de Teatro da VCU, uma dos responsáveis pelo evento, diz que “nosso trabalho é sobre a exploração da história americana através das lentes de pessoas e vozes marginalizadas. É o desenrolar da história americana através dessas pessoas que não foram ouvidas”.

De acordo com ela, a mensagem de King é mais atual do que nunca após a agitação social de dois verões atrás e os desafios contínuos enfrentados pelas comunidades minoritárias. Pessoas de cor enfrentam um ataque aos direitos de voto, violência por parte da aplicação da lei e um ambiente econômico difícil. 

“Estamos essencialmente em um ponto muito semelhante ao que estávamos na década de 1960”, diz Wates. “O país agora está em um ponto de inflexão. Acho que, durante as celebrações dos anos passados, as pessoas celebravam o discurso ‘Eu tenho um sonho’. Isso ressoa em muita gente. Mas é apenas uma pequena parte de quem foi Martin Luther King. Ele era um ativista social extraordinariamente competente e engajado. Ele era um reformador. Ele era o movimento Black Lives Matter em sua época”. 

O resultado final, diz a professora, é que King chama as pessoas para agir. As pessoas precisam fazer mais do que falar sobre King. Precisam fazer mudanças. Quando perguntada sobre a principal lição da apresentação deste ano, Pettiford-Wates diz que as pessoas de cor fizeram muito pouco progresso desde a época de King. “Queremos que as pessoas reconheçam que não estamos seguros”, disse ela. “Que não conseguimos e não chegamos. Que o legado de Martin Luther King nos informa que houve mais derrapagem do que progresso”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.