NÃO ENCONTROU O LIVRO QUE PROCURA? ENTRE EM CONTATO CONOSCO PELO WHATSAPP
people woman hand dark

Estudo alerta que aspirina pode causar insuficiência cardíaca em pessoas propensas

Estudo publicado hoje (23) na ESC Heart Failure, um jornal da Sociedade Europeia de Cardiologia (ESC, em inglês) indica que o uso de aspirina (AAS) está associado a um risco 26% maior de insuficiência cardíaca em pessoas com pelo menos um fator predisponente para a doença (tabagismo, obesidade, hipertensão, colesterol alto, diabetes e doenças cardiovasculares). “Este é o primeiro estudo a relatar que, entre os indivíduos com pelo menos um fator de risco para insuficiência cardíaca, aqueles que tomam aspirina têm mais probabilidade de desenvolver a doença do que aqueles que não usam a medicação”, disse o autor do estudo, Dr. Blerim Mujaj, da Universidade de Freiburg, Alemanha. “Embora as descobertas exijam confirmação, elas indicam que a ligação potencial entre aspirina e insuficiência cardíaca precisa ser esclarecida”, alerta.

A influência da aspirina na insuficiência cardíaca é controversa. O objetivo do estudo foi avaliar sua relação com a incidência de insuficiência cardíaca em pessoas com e sem cardiopatia e avaliar se o uso do medicamento está relacionado a um novo diagnóstico de insuficiência cardíaca em pessoas de risco.

A análise incluiu 30.827 pessoas residentes na Europa e nos Estados Unidos da América e inscritas no estudo HOMAGE, todas elas em risco de desenvolver insuficiência cardíaca. “Em risco” foi definido como um ou mais dos seguintes: tabagismo, obesidade, hipertensão, colesterol alto, diabetes e doenças cardiovasculares. Os participantes tinham 40 anos ou mais e não apresentavam insuficiência cardíaca no início do estudo. O uso de aspirina foi registrado no momento da inscrição e os participantes foram classificados como usuários ou não usuários. Os participantes foram acompanhados para a primeira incidência de insuficiência cardíaca fatal ou não fatal que requeresse hospitalização. A idade média dos participantes era de 67 anos e 34% eram mulheres. No início do estudo, um total de 7.698 participantes (25%) estavam tomando aspirina. Durante o acompanhamento de 5,3 anos, 1.330 participantes desenvolveram insuficiência cardíaca.

Os pesquisadores avaliaram a associação entre o uso de aspirina e insuficiência cardíaca incidente após ajuste para sexo, idade, índice de massa corporal, tabagismo, uso de álcool, pressão arterial, frequência cardíaca, colesterol no sangue, creatinina, hipertensão, diabetes, doença cardiovascular e tratamento com renina -inibidores do sistema da angiotensina-aldosterona, bloqueadores dos canais de cálcio, diuréticos, beta-bloqueadores e medicamentos hipolipemiantes. O uso de aspirina foi independentemente associado a um risco aumentado de 26% de um novo diagnóstico de insuficiência cardíaca.

Para verificar a consistência dos resultados, os pesquisadores repetiram a análise depois de comparar usuários e não usuários de aspirina para fatores de risco de insuficiência cardíaca. Nesta análise combinada, a aspirina foi associada a um risco aumentado de 26% de um novo diagnóstico de insuficiência cardíaca. Para verificar os resultados mais detalhadamente, a análise foi repetida após a exclusão de pacientes com histórico de doença cardiovascular. Em 22.690 participantes (74%) livres de doenças cardiovasculares, o uso de aspirina foi associado a um risco aumentado de 27% de insuficiência cardíaca incidente.

Dr. Mujaj disse: “Este foi o primeiro grande estudo a investigar a relação entre o uso de aspirina e a insuficiência cardíaca incidente em indivíduos com e sem doença cardíaca e pelo menos um fator de risco. A aspirina é comumente usada – em nosso estudo, um em cada quatro participantes estava tomando o medicamento. Nesta população, o uso de aspirina foi associado a insuficiência cardíaca incidente, independente de outros fatores de risco”.

Ele concluiu: “Grandes ensaios clínicos multinacionais randomizados em adultos com risco de insuficiência cardíaca são necessários para verificar esses resultados. Até que isso aconteça, nossas observações sugerem que a aspirina deve ser prescrita com cautela para aqueles com insuficiência cardíaca ou com fatores de risco para a doença”.

Fonte: European Society of Cardiology. Imagem em destaque: Pexels

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *