NÃO ENCONTROU O LIVRO QUE PROCURA? ENTRE EM CONTATO CONOSCO PELO WHATSAPP

Alzheimer. Antidepressivo mirtazapina não apresenta resultados e pode levar à morte

Recente pesquisa, liderada pela Universidade de Plymouth, no Reino Unido, e publicada na The Lancet, revelou que o antidepressivo mirtazapina, medicamento usado para combater a agitação em pessoas com demência, não apresenta eficácia e pode até aumentar a mortalidade da pessoa que é tratada com ele. Os antipsicóticos comprovadamente aumentam as taxas de mortalidade em pessoas com demência, juntamente com outros desfechos desfavoráveis, e por isso a mirtazapina tem sido prescrita rotineiramente.

A agitação é um sintoma comum de demência, caracterizada por atividade verbal, vocal ou motora inadequada e, muitas vezes, envolve agressão física e verbal. O cuidado centrado no paciente não medicamentoso é a primeira intervenção que deve ser oferecida, mas, quando isso não funciona, os médicos podem mudar para uma alternativa baseada em medicamentos.

Financiado pelo Instituto Nacional de Pesquisa em Saúde (NIHR), da Grã Bretanha, o estudo recrutou 204 pessoas com provável ou possível doença de Alzheimer de 20 locais em todo o Reino Unido. Metade recebeu mirtazapina e a outra metade, placebo. O julgamento foi duplo-cego; o que significa que os participantes não sabiam o que estavam tomando, nem o pesquisador.

Os resultados mostraram que não houve menos agitação após 12 semanas no grupo mirtazapina do que no grupo controle. Houve também mais mortes no grupo mirtazapina (sete) na semana 16 do que no grupo de controle (apenas um), com a análise sugerindo que isso foi de significância estatística marginal.

Isso mostra um cérebro A agitação é um sintoma comum de demência, caracterizada por atividade verbal, vocal ou motora inadequada e, muitas vezes, envolve agressão física e verbal. A imagem é de domínio público

O pesquisador principal, professor Sube Banerjee, Reitor Executivo da Faculdade de Saúde e professor de Demência na Universidade de Plymouth, explicou por que os resultados foram tão surpreendentes, mas importantes.

“A demência afeta 46 milhões de pessoas em todo o mundo – um número que deverá dobrar nos próximos 20 anos. A má qualidade de vida é motivada por problemas como agitação e precisamos encontrar maneiras de ajudar as pessoas afetadas ”, disse ele.

“Este estudo mostra que uma maneira comum de controlar os sintomas não é útil – e pode até ser prejudicial. É muito importante que esses resultados sejam levados em consideração, e a mirtazapina não seja mais usada para tratar a agitação em pessoas com demência.

“Este estudo adicionou informações importantes à base de evidências e esperamos investigar outros tratamentos que possam ajudar a melhorar a qualidade de vida das pessoas”.

A respeito da pesquisa, o Dr. Richard Oakley, chefe de pesquisa da Sociedade de Alzheimer declarou: “A prescrição desnecessária de antipsicóticos para pessoas com demência é perigosa e está associada a um maior risco de morte, razão pela qual temos feito grandes campanhas para reduzir os níveis desde o final dos anos 90, salvando dezenas de milhares de vidas. Os tratamentos mais indicados para a agitação não envolvem drogas e são feitos sob medida para a pessoa – como artes e ofícios ou movimento com música. Nos últimos anos, os antidepressivos – como a mirtazapina – têm sido considerados uma alternativa se as abordagens não medicamentosas não funcionarem. Embora seja apenas um pequeno estudo, esses resultados sugerem que é necessário repensar essa alternativa. A droga não foi apenas ineficaz na redução da agitação, mas também foi associada a mais mortes, sugerindo que a mirtazapina deve ser evitada no Alzheimer – e mais pesquisas devem ser realizadas para entender seus efeitos em outros tipos de demência”.

Imagem em destaque: demência. Crédito: NIHR, Reino Unido

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *